[NOTÍCIAS DA IGREJA]

Redes sociais: O que você compartilha nas redes sociais determina sua reputação

 

O conceito “Você é o que você compartilha” já virou mantra na nova web.

A questão é saber se posicionar e usar a rede com bom senso, preservando sua reputação. A afirmação é do especialista em comunicação digital Gil Giardelli, professor da Escola Superior de Propaganda, que participou do painel Redes Sociais e Inovação nesta quinta-feira, durante a Conferência Internacional de Cidades Inovadoras (CICI2011) realizada em Curitiba.

“Estamos vivendo a 3ª onda do capitalismo, que é a era digital e de mídias sociais. A moeda do século XXI é a reputação, por isso, temos que estar atentos com o que publicamos e compartilhamos na rede”, disse.

Segundo o especialista, a internet está passando por uma evolução. Ele estima que em 2014, 91% do conteúdo da web será em vídeo. “A cada dia que passa, temos aparelhos celulares mais modernos e com preços acessíveis. Todos podem produzir e publicar conteúdos”, afirmou, destacando que hoje 1% das pessoas coloca conhecimento na internet, 4% replica e 95% aprende com as informações. “Não podemos mais competir, temos que cooperar. A tecnologia não nos afastou, mas nos conectou”.

Para Giardelli, vivemos o choque entre a economia do século XIX com a do século XXI. “Vivemos a democracia das mídias sociais e da inovação coletiva. Um momento da história onde pequenos grupos significam grandes mudanças. Esta é a primeira grande revolução da humanidade:  não existe mais um grande líder”, observou.

Além de compartilhar informações, os internautas usam as redes sociais para fazer o bem e ajudar as pessoas. “Pesquisas mostram que interagir em redes sociais, como o twitter e o facebook, libera ocitocina, hormônio que diminui os níveis de depressão, considerada a doença do século”, disse, lembrando que existem inúmeras pessoas que estão em rede para falar coisas boas.

As grandes catástrofes são prova de como as redes sociais podem fazer o bem. “Tenho uma aluna que possui parentes em Concepción, onde foi o epicentro do terremoto no Chile. Ela estava desesperada porque não conseguia notícias da família. Um grupo de jovens do Chile criou uma hashtag no twitter para procurar pessoas desaparecidas. Em 12 minutos ela recebeu um twitter falando que sua família estava bem”, disse.

Fonte: https://blog.comshalom.org/carmadelio/23995-redes-sociais-voce-e-o-que-voce-compartilha