[NOTÍCIAS DA IGREJA]

 

Psicóloga: mulheres e homens sofrem após aborto

Profissional desmascara traumas que atingem homens e mulheres depois de escolherem acabar com a vida do seu bebê

Durante o debate parlamentar sobre o aborto na Argentina, Mariana Kappelmayer, psicóloga que se dedica ao acompanhamento pós-aborto, denunciou alguns traumas que homens e mulheres vivem depois de escolher acabar com a vida do seu filho.

ABORTION

Thiago Skárnio-(CC BY-NC-ND 2.0)

“Quando eu me aproximei desta tarefa não podia imaginar o que significaria acompanhar a dor de uma mãe ou de um pai que decidiu abortar, é contemplar a fragilidade do ser humano”, assinalou Kappelmayer em uma coluna de opinião no jornal ‘El Clarín’.

Em seu trabalho de acompanhamento pós-aborto no Projeto Esperança, Kappelmayer disse que é “testemunha de histórias cheias de dor, solidão e silêncio. É comprovar o fracasso de uma sociedade que não consegue suportar as realidades mais difíceis”.

Afirmou que investigação a nível mundial confirmam que o aborto provoca “perturbações graves” no desenvolvimento pessoal e afetivo, e advertiu a respeito da grande desinformação sobre os efeitos nestas “segundas vítimas” porque o aborto “não tem apenas uma vítima, mas duas ou mais, considerando a mãe e o pai, que também ficam feridos”.

Kappelmayer assegurou que “no mais profundo de si, nenhuma mulher quer abortar”, entretanto, ao estar submetidas a grandes pressões “ignoraram esta voz interior e acabam com a vida do seu filho, machucando a si próprias”.

“O aborto é sempre uma experiência traumática que provoca a morte intencional do outro; neste caso, a morte de um filho, e transgrede os normas naturais de funcionamento humano”, disse ele.

Em relação ao trauma pós-aborto, a psicóloga explicou que se manifesta como um “conjunto de sintomas físicos, psicológicos e espirituais, que compõem um quadro de estresse pós-traumático com características específicas”.

Consequentemente pode causar “enxaquecas, alterações do biorritmo, irritabilidade, déficit de energia, instabilidade mental, obsessões, disfunções sexuais, depressão, baixa autoestima, abuso de substâncias, culpabilidade, tristeza, e em muitos casos as pessoas perdem a vontade de viver”.

O que acontece depois do aborto é um trauma, porque “para poder acabar com a vida de um filho, primeiro é necessário desumanizá-lo, reduzi-lo a um monte de células”.

“Negar a sua existência e a sua natureza, dificulta a elaboração do luto e causa o aparecimento de mecanismos de defesa que tentam impedir o sofrimento. O dano se intensifica, quando estes mecanismos se transladam a outros vínculos, prejudicando o casal, as relações com os outros filhos e com o meio ambiente”, explicou Kappelmayer.

Nesse sentido, no Projeto ‘Esperanza’, a tarefa dos acompanhantes é “ajudar os afetados a refazer este caminho de desumanização, através de um processo de cura e restauração de todas as relações”.

“Para isso será necessário libertar a raiva e a dor que estão reprimidas, e passar pelo luto desta ‘pessoa’, não desta ‘coisa’”, sublinhou.

No processo de cura, o primeiro passo será reconhecer que com o aborto “não se perdeu a gravidez”, mas se perdeu “um filho, um neto, um sobrinho… uma pessoa que estava se desenvolvendo, que por meio da sua existência, estabeleceu uma ligação biológica e afetiva com essa mãe”.

“Somente restabelecendo esta relação, ‘reumanizando este bebê’, os pais podem conseguirão recuperar a esperança, e renovar o seu projeto de vida”, assegurou a psicóloga do Projeto Esperança.

Kappelmayer advertiu que a nível legal, as pessoas que ignorarem esta realidade “estarão colaborando na instituição da desumanização, como um modo de resolver os problemas, enfraquecendo o papel da família, e adormecendo o mais próprio do ser humano”.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/papa-francisco-critica-a-ideologia-de-genero-leva-a-autodestruicao-do-homem-51187