[NOTÍCIAS DA IGREJA]

Para onde está nos levando o culto da mudança?

Há uma passagem do Salmo 42, presente nas orações ao pé do altar da Missa Tridentina, que deveria nos fazer meditar. “Quare tristis es, anima mea, et quare conturbas me? — Por que te entristeces, minh’alma, a gemer no meu peito?”, pergunta o Autor Sagrado, para logo em seguida ajuntar, com uma frase imperativa: “Spera in Deo — Espera em Deus!”

A pergunta do salmista deveria ser uma constante em nossas vidas: Por que ficamos tristes? O que é que “conturba” a nossa alma, nos aflige por dentro, fazendo com que muitas vezes percamos o sorriso no rosto, o sono, o apetite e até, quem sabe, a vontade de viver? Sem querer, evidentemente, dar uma resposta única a um problema amplo, é por não responderem a essas perguntas no tempo e com a precisão devidas que tantas pessoas podem acabar afundando em problemas como a depressão, já considerada por tantos como o “mal do século”.

Lembremo-nos que a tristeza é a reação natural que manifestamos diante de um mal, diante da ausência de determinado bem. Ficamos tristes porque perdemos algo que nos era valioso, alguém que nos era querido e assim por diante. Por isso, a grande “sabedoria da tristeza”, por assim dizer, reside justamente na hierarquia das coisas que temos por bens e por males. A pergunta aqui é: O que é mais importante na minha vida? O que ocupa as primeiras posições na minha “escala de prioridades”?

Já aqui podemos entrever o primeiro erro em que as pessoas normalmente caem nessa matéria: achar que elas não têm controle sobre suas alegrias e tristezas. “É inevitável”, elas dizem, “é natural” (e, portanto, não há nada a fazer a respeito, pensam), e com isso elas se entregam aos seus sentimentos, sem lhes oferecer resistência alguma, como um caniço que é agitado de lá para cá pelo vento…

No homem e na mulher cristãos, no entanto, não deve ser assim. E não é questão de ser insensível, mas de submeter, com uma vontade firme, aquilo que sentimos à verdade que acessamos por nossa inteligência, como um cavaleiro que toma as rédeas de um animal e o conduz para onde ele quer, e não para onde o cavalo, agitado e desgovernado, deseja ir. Na vida espiritual, essa ordem é ainda mais admirável, pois envolve as verdades da fé, que acessamos por nossa inteligência, iluminada pela graça de Deus: temos assim “corpo, alma e espírito” (cf. 1Ts 5, 23); o cavalo submete-se ao cavaleiro, mas o cavaleiro é conduzido não apenas pelo que pensa ou deixa de pensar, mas pela vontade divina.

E o que Deus quer de nós, senão que O amemos sobre todas as coisas, como diz o primeiro Mandamento? O que Ele pede de nós, senão que O aceitemos como nosso Bem, acima de todos os bens desta terra? Pois então, se é isso o que Ele pede a todos — não só aos padres e às religiosas, não só a esta ou àquela “classe” dentro da Igreja —, se deve ser Ele o nosso tesouro mais precioso nesta vida, voltemos às nossas tristezas e façamos um exame de consciência: O que me entristece? Quais têm sido os motivos de minhas “caras feias”, de minhas angústias, de minhas noites sem dormir? Foi um negócio que não deu certo no trabalho? Foi o fim de um relacionamento amoroso? Foi uma palavra ou atitude de um amigo que me desagradou?

Sejam quais forem as nossas respostas, a primeira pergunta que devemos fazer é: essas coisas pelas quais “minhas lombrigas se agitam” dentro de mim são males de verdade ou, ao contrário, não são bens que meu egoísmo, minha vaidade ou meus vícios interpretam como males? Tomemos por exemplo o rompimento de um relacionamento que claramente nos estava afastando de Deus. “Eu sinto tanta falta”, você pode dizer, “eu amava tanto essa pessoa”. Muito bem! Mas, se essa pessoa era para você “causa de juízo e condenação” — dizendo bem claramente, se você e essa pessoa estavam na lama do pecado mortal, um levando o outro para o inferno —, como não reconhecer nesse rompimento doloroso a mão providente de Deus, que quer a nossa salvação e a nossa felicidade eterna?

Mas não nos limitemos a essa análise “mínima”, poderíamos dizer, pois detestarmos o pecado mortal é o mínimo de que precisamos para levar uma vida na graça de Deus. Suponhamos que os males a respeito dos quais falamos sejam males de verdade. Ainda na esteira dos relacionamentos amorosos, suponhamos que o seu “romance” que terminou fosse um namoro casto, levado na graça de Deus, onde os dois procuravam fazer a vontade dEle, mas, em algum ponto do caminho, ambos descobriram que não era o caso de ficarem juntos… Agora, você diz, “eu sinto falta da pessoa”, “sinto falta das conversas”, “não me conformo com o fim” etc. Muito bem! Reconheço que é um mal a perda desse seu “grande” amor. Mas, diga-me uma coisa, quando você peca e se afasta de Deus, você tem se descabelado com a mesma proporção? Antes de se confessar, você se amargura tanto quanto, agora, está chorando por causa dessa criaturaque você perdeu? Ou a perda do Criador é para você um mal menor?

Eis a verdade, caro leitor! A verdade é que, por mais “juras de amor” que façamos a Deus em nossos momentos de oração, nossas tristezas denunciam nossas prioridades! Nossas tristezas apontam o dedo para nós e nos acusam: Amamos mais as criaturas do que ao Criador! Estamos mais apegados aos bens da terra que ao nosso único e verdadeiro Bem! Sofremos menos por perder a Deus do que por perder as ninharias deste mundo!

Você reconhece em si este mal? Então, é hora de aplicar o remédio. E ele se chama oração. E não há outro. E não há como escapar. Porque é na oração, meditando sobre qual deve ser a hierarquia de nossos amores e pedindo a Deus que aumente a nossa fé nessa realidade — realidade que nossas “lombrigas” não querem aceitar, que nosso coração insiste em rejeitar —, é na oração que iremos, pouco a pouco, fortalecendo a nossa vontade tão fraca, tão sensual, tão inclinada às coisas deste mundo…

Portanto, fiquemos tristes, sim, mas com as coisas certas, e na medida certa, com as proporções certas! Tristes, sim, mas com sabedoria! Soframos, sim, mas não à toa! Angustiemo-nos, sim, mas — se nos permitem a expressão mais dura — façamo-lo sem sermos idiotas! Se já estamos perdendo neste mundo tanta coisa — dinheiro, pessoas, propriedades, cargos importantes —, não nos esqueçamos que, com a morte, perderemos todo o resto e só o que nos sobrará… será Deus. Ele nos basta e nós precisamos convencer-nos disto, aumentando dia após dia a nossa fé! O preço de não o fazermos é sermos arrastados por nossos sentimentos, é deixarmos que os instintos animalescos dominem nossa razão… é terminarmos andando por aí feito burros sem freio, chorando pelo que não deveríamos chorar e alegrando-nos com o que nos deveria fazer temer e tremer (cf. Ef 6, 5).

Com isso, voltamos ao salmo da liturgia antiga. “Quare tristis es, anima mea, et quare conturbas me? — Por que te entristeces, minh’alma, a gemer no meu peito?”, perguntemos à nossa alma, mas não tardemos em lhe responder: “Spera in Deo — Espera em Deus!” Sim, porque nEle temos tudo e, tendo a Ele, nada nos falta. A maior tragédia deste mundo é não estar na graça dEle e, se ela ainda não nos pesa o suficiente, somos nós que precisamos mudar.

 

Fonte: https://padrepauloricardo.org/blog/para-onde-esta-nos-levando-o-culto-da-mudanca