[NOTÍCIAS DA IGREJA]

O que Deus nos pede é conversão!

“E portanto, se os degredados, que aqui hão de ficar, aprenderem bem a sua fala e os entenderem, não duvido que eles, segundo a santa intenção de Vossa Alteza, se hão de fazer cristãos e crer em nossa santa fé, à qual praza a Nosso Senhor que os traga, porque, certo, esta gente é boa e de boa simplicidade” [1]. São palavras de Pero Vaz de Caminha, dirigidas ao então rei de Portugal, sobre os nativos e as terras que acabara de encontrar: os índios do Brasil. Lê-se nestas linhas a vontade imensa de espalhar a todos os povos a boa-nova de Cristo. De fato, a evangelização sempre foi uma preocupação da Igreja, encontrando eco também entre leigos, governantes e qualquer um que se deixasse tocar pela beleza da fé católica.

A necessidade do anúncio cristão decorre do “encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo” [2]. Se é verdade que Deus é amor, quem o encontrou não pode fazer dele assunto particular, mas alimento comum a todas as almas. Os santos são um modelo de apostolado eficaz porque carregavam em suas faces a experiência da entrega ao Senhor. Somente uma alma profundamente apaixonada consegue transmitir a intensidade da Palavra de Deus. Por isso dizia o Cardeal Ratzinger num debate com o ateu Paolo Flores D’Arcais que “nós, os crentes, acreditamos que temos algo a dizer ao mundo (…), estamos convencidos de que em Jesus surgiu a verdade, e a verdade não é propriedade privada de alguém; deve ser compartilhada, deve ser conhecida” [3].

Todavia, nestes tempos de secularismo exacerbado, que não poupa nem mesmo os púlpitos de muitas paróquias, parece que já não existe mais tal certeza. Ao contrário dos primeiros cristãos, para a geração atual a fé se tornou apenas um pressuposto banal, que, em muitos casos, acaba até negado. Com efeito, a ênfase da Igreja na evangelização é vista como um programa retrógrado — até mesmo preconceituoso —, sobre o qual não valeria a pena discutir. A via adequada seria então a do diálogo desinteressado, destinado não à conversão das pessoas, mas à promoção da “tolerância”, do pluralismo religioso.

Disso se depreende a crise de fé à qual se referia Bento XVI na Carta Apostólica Porta Fidei. Uma Igreja que não quer evangelizar não merece ser chamada Igreja, já que “anunciar o Evangelho não é glória para mim” — dizia São Paulo —, mas “uma obrigação que se me impõe” (cf. 1Cor 9, 16). Ora, uma pessoa que se diz católica, mas não encontra razão para levar a fé aos demais pode ser tudo, menos uma autêntica seguidora de Cristo. Jesus deixou sua Igreja nesta terra para exortar os povos à Palavra de Deus, não para a filantropia ou assistencialismo social.Mas, se os próprios filhos da Igreja padecem na “incredulidade e dureza de coração”, renegando as verdades eternas a propósito de uma pastoral exclusivamente humana, como querer atrair os descrentes se a eles é apresentado uma Igreja com cara de ONG? Esses maus apóstolos acabam agindo como os discípulos que, diante da notícia de Maria Madalena, “não quiseram acreditar”. Ou seja, ainda precisam encontrar-se com Jesus verdadeiramente para somente assim assumirem as palavras do Senhor: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (cf. Mt 28, 19).

É imperioso para a vida cristã a prática do apostolado. Nela, encontram-se tanto o meio para atingir os incrédulos, como também o fim ao qual todos são chamados: a salvação. Sim, porque aqueles que se empenham no anúncio da boa-nova sabem que não podem prescindir da graça sem correr sério risco de fracassar. “A Igreja, o Papa, os fiéis, assim como os teólogos” — recorda o patriarca de Veneza, Dom Francesco Moraglia —, “não são a origem do ato de fé e da vida do crente” [4], são instrumentos da messe do Senhor. E como instrumentos devem sempre ter em mente o testamento espiritual de Maria, deixado nos Evangelhos: “Fazei tudo o que Ele vos disser” (Cf. Jo 2, 5). E o que Ele pede é conversão!

Fonte: padrepauloricardo