[NOTÍCIAS DA IGREJA]

“Eu prefiro o meu pudor”, diz jovem italiana

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é download.jpg

A cantora italiana María Luce Gamboni, de 18 anos de idade, teve o mérito de ser eleita para o papel de Julieta, na obra musical Romeo & Giulietta – Ama e cambia il mondo [“Romeu e Julieta – Ama e muda o mundo”]. O produtor da peça, David Zard, é considerado o maior produtor musical da Itália. O palco da primeira exibição é a Arena de Verona, o famoso anfiteatro construído no século I da era cristã. Daí, o espetáculo segue para outros grandes teatros. Sem dúvida, este poderia ser um grande passo para que esta jovem atriz alçasse uma carreira de sucesso. E, no entanto, algo deu errado.

Solicitada a contracenar seminua, María Luce não pensou duas vezes. “Ao dinheiro e ao meu sonho eu prefiro o meu pudor”, respondeu ao diretor. Na cena de amor com Romeu, ela teria que usar apenas uma camisola transparente. A jovem ainda tentou negociar com a produção da peça: pediu que usasse pelo menos uma roupa por baixo do traje, mas o pedido foi negado.

Por outro lado, a resposta da moça também foi categórica. “Aceitar este traje seria negar os princípios em que creio, firmemente arraigados em minha consciência católica e de mulher”, afirmou María Luce, em entrevista ao jornal Il Resto del Carlino. “Eu gosto de cantar, mas não a qualquer custo”.

O testemunho desta cantora é um verdadeiro exemplo para as jovens deste tempo. “Creio que é importante ter comprovado que não aceitar compromissos é possível e dá uma grande satisfação”, ressaltou. “Não tenhamos medo de impor nossas próprias ideias, pensar sempre com a própria cabeça e não se deixar levar. Em suma, ser capaz de renunciar à oportunidade, se se entende que não é adequada, justa em si mesma”.

Com sua atitude, María Luce torna-se figura emblemática daquele conselho tão repetido nos últimos dias pelo Papa Francisco, de “ir contra a corrente”. Se tem se tornado comum vender o corpo para ser exibido em propagandas comerciais, espetáculos teatrais e programas de televisão, brilham resplandecentes personagens como María, que dão mais valor ao pudor e à dignidade de seu próprio corpo que ao dinheiro e ao prazer.

O destemor desta jovem e de tantas outras trazem à memória algumas palavras que Dom Aquino Corrêa, arcebispo matogrossense do século XX, pronunciou em um memorável discurso às professoras de Cuiabá. Ele ensinava que “nada vale a beleza sem o pudor”. “A beleza sem o pudor é o ouro no lodaçal (…) É lei natural: contrariá-la é a grande perversão do século. Outra, em verdade, não parece a tendência atual dos tempos, senão este divórcio cada vez mais desfaçado e completo” [1].

A exortação de Dom Aquino foi feita em 1930, bem antes da revolução sexual dos anos 1960, e já àquela época o corajoso bispo notava que “a tendência atual dos tempos” parecia ser justamente o despudor e a impureza. Ele não imaginava, porém, que a situação pioraria a ponto de um parlamentar brasileiro vir a público para pedir a “legalização” da prostituição [2] – a institucionalização da indecência.

Não é verdade, porém, que a decadência deste século é inevitável. Se, ouvindo as palavras do Santo Padre, os jovens tiverem a coragem de ir “contra a corrente”, poderão reatar, com a graça de Deus, os laços do pudor e da beleza, há tanto tempo desfeitos. Para isto, no entanto, não poucas vezes será preciso renunciar a uma carreira afamada ou a uma promoção no trabalho. “Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. Aquele que tenta salvar a sua vida, irá perdê-la. Aquele que a perder, por minha causa, irá reencontrá-la” (Mt 10, 38-39).

Fonte:  https://padrepauloricardo.org/blog/eu-prefiro-o-meu-pudor-diz-jovem-italiana