[NOTÍCIAS DA IGREJA]

A oferta de uma santa “ao Amor Misericordioso”

No dia 11 de junho de 1895, Santa Teresinha do Menino Jesus se ofereceu como “Vítima de Holocausto ao Amor Misericordioso do Bom Deus”. Para tanto, ela se serviu da fórmula abaixo, composta por ela mesma e usada, depois, por outras irmãs de sua comunidade, que repetiram a mesma oferta. 

O texto dessa oração constitui um tesouro da espiritualidade católica e é enriquecido com indulgências perpétuas: de 300 dias, cada vez que for rezado com devoção, começando ao menos das palavras “ofereço-me como vítima de holocausto…”; e plenárias, em cada mês, quando recitado todos os dias desse mês e cumprindo-se as condições habituais de recebimento das indulgências (conc. da Penitenciaria Apostólica, 31 jul. 1923).


Oferecimento de mim mesma como Vítima de Holocausto ao Amor Misericordioso do Bom Deus

Ó meu Deus! Bem-aventurada Trindade, desejo amar-vos e fazer que vos amem, trabalhar pela glorificação da Santa Igreja, salvando as almas que estão na terra, e libertando as que sofrem no Purgatório. Desejo cumprir, perfeitamente, vossa vontade e alcançar o grau de glória que me preparastes em vosso reino. Numa palavra, desejo ser Santa, mas sinto minha impotência, e peço-vos, ó meu Deus, sede vós mesmo a minha Santidade!

Já que me amastes a ponto de me dardes vosso Filho único para ser meu Salvador e meu Esposo, são meus os infinitos tesouros de seus méritos. Com prazer, eu vo-los ofereço, suplicando-vos não olheis para mim senão através da Face de Jesus e dentro de seu Coração abrasado de Amor.

Ofereço-vos também todos os merecimentos dos Santos (que estão no Céu e na terra), seus atos de amor e aqueles dos Santos Anjos. Ofereço-vos, enfim, ó Bem-aventurada Trindade, o amor e os méritos da Santíssima Virgem, minha querida Mãe. É a ela que entrego minha oferenda, pedindo-lhe que a apresente a vós. Seu divino Filho, meu Amado Esposo, nos disse nos dias de sua vida mortal: “Tudo quanto pedirdes ao meu Pai em meu nome, ele vo-lo dará!”. Tenho, pois, certeza de que atendereis meus desejos; eu sei, ó meu Deus: quanto mais quereis dar, tanto mais impelis a desejar. Sinto em meu coração desejos imensos, e é com confiança que vos peço que venhais tomar posse de minha alma. Ah! Não me é dado receber a santa Comunhão tantas vezes, quantas desejo. Mas, Senhor, não sois Todo-Poderoso?… Ficai em mim, como no Tabernáculo, não vos afasteis jamais de vossa pequenina hóstia…

Quisera consolar-vos da ingratidão dos perversos e vos suplico que me tireis a liberdade de vos ofender. Se alguma vez cair por fraqueza, vosso divino olhar purifique imediatamente minha alma, consumindo todas as minhas imperfeições, como o fogo transforma em si próprio todas as coisas…

Agradeço-vos, ó meu Deus, todas as graças que me concedestes, de modo particular a de me terdes feito passar pelo cadinho do sofrimento. É com alegria que vos contemplarei no último dia, a empunhar o cetro da Cruz; e, já que vos dignastes me dar como partilha esta Cruz tão preciosa, espero, no Céu, me assemelhar a vós e ver brilhar em meu corpo glorificado os sagrados estigmas de vossa Paixão…

Depois do exílio da terra, espero ir gozar de vós na Pátria. Mas, não quero ajuntar méritos para o Céu; quero trabalhar só por vosso Amor, com o único intuito de vos agradar, de consolar vosso Sagrado Coração, e de salvar almas que vos amem eternamente.

No entardecer desta vida, comparecerei diante de vós com mãos vazias, pois não vos peço, Senhor, que leveis em conta minhas obras. Todas as nossas justiças têm defeitos aos vossos olhos. Quero, pois, revestir-me de vossa própria Justiça, e receber de vosso Amor a eterna posse de vós mesmo. Não quero outro Trono nem outra Coroa senão vós mesmo, ó meu Amado!

Para vós, o tempo não é nada. Um único dia é como se fossem mil anos. Podeis, então, preparar-me num instante para comparecer diante de vós…

A fim de viver num ato de perfeito Amor, ofereço-me como vítima de holocausto ao vosso Amor Misericordioso, pedindo-vos que me consumais sem cessar, e façais irromper em minha alma as torrentes de infinita ternura em que vós se encerram, e assim me torne Mártir de vosso Amor, ó meu Deus!…

Que esse martírio, depois de me haver preparado para comparecer diante de vós, me faça enfim morrer, e minha alma se lance sem demora ao eterno abraço de vosso Misericordioso Amor…

Quero, Amado meu, a cada batida do coração, renovar-vos este oferecimento um sem-número de vezes, até que, desfeitas as sombras, possa afiançar-vos meu Amor num eternal Face a face!…

Maria Francisca Teresa do Menino Jesus e da Santa Face
rel. carm. ind.

Festa da Santíssima Trindade.
9 de junho do ano da graça de 1895

exual dos anos 1960, e já àquela época o corajoso bispo notava que “a tendência atual dos tempos” parecia ser justamente o despudor e a impureza. Ele não imaginava, porém, que a situação pioraria a ponto de um parlamentar brasileiro vir a público para pedir a “legalização” da prostituição [2] – a institucionalização da indecência.

Não é verdade, porém, que a decadência deste século é inevitável. Se, ouvindo as palavras do Santo Padre, os jovens tiverem a coragem de ir “contra a corrente”, poderão reatar, com a graça de Deus, os laços do pudor e da beleza, há tanto tempo desfeitos. Para isto, no entanto, não poucas vezes será preciso renunciar a uma carreira afamada ou a uma promoção no trabalho. “Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. Aquele que tenta salvar a sua vida, irá perdê-la. Aquele que a perder, por minha causa, irá reencontrá-la” (Mt 10, 38-39).

Fonte:  https://padrepauloricardo.org/blog/a-oferta-de-uma-santa-ao-amor-misericordioso