Benditos os olhos que viram e bendita a boca que anunciou

 

 

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é three-marys-at-the-tomb-william-adolphe-bouguereau.jpgA alegria da ressurreição do Senhor é uma força motriz que preenche o coração dos fiéis e, contemporaneamente, os impulsiona a anunciar esta mesma alegria banhada na fé que se nutre da Palavra de Deus e da esperança indelével semeada na alma dos renascidos em Cristo.

Testemunha desta alegria e singular anúncio é uma personagem que nos faz refletir sobre o agir de Deus. Recordemos a cena: depois do sábado, quando ainda era noite, vemos Maria Madalena, discipula de Jesus, de quem ele havia expulsado sete demônios (cfr. Lc 8,2; Mc 16,9), indo ao sepulcro do Senhor. Ela vê a pedra afastada e avisa Pedro, pensando que alguém tinha roubado o corpo de Jesus (cfr. Jo 20, 1-2). Regressando ao sepulcro, enquanto chora, encontra-se com Jesus ressuscitado, um doce encontro que substitui o amargor das lágrimas derramadas naquele jardim. Após lhe falar com amor e serenidade, o Senhor a encarrega de anunciar aos discípulos a Sua volta ao Pai (cfr. Jo 20 ,11-18). Esta é glória singular de Maria Madalena. Por essa razão, a Tradição, na Igreja Oriental, foi nomeada isapóstolos “ igual a um apóstolo”; e, na Igreja Ocidental, lhe chamaram apostola apostolorum “apóstolo dos apóstolos”.

Maria Madalena deixa à Igreja seu testemunho de fé e de conversão profunda a Cristo. Não temos pelos Evangelhos grandes notícias biográficas desta mulher de Deus, mas a Sagrada Escritura nos informa o suficiente sobre seu papel inigualável no mistério da Salvação: ela foi a primeira a ver o Ressuscitado! E como se isso não bastasse, foi enviada por Ele a anunciar aos “seus irmãos”, a maior de todas as alegrias: a Ressurreição do Senhor. E este fato é sempre digno da nossa profunda meditação. De fato, de todos os homens com quem Jesus conviveu ao longo dos anos de sua vida terrestre, a nenhum deles foi concedido ter os primeiros olhos humanos a ver o Leão vencedor da Tribo de Judá em pé, glorioso, como se manifestará depois aos apóstolos e a muitas outras testemunhas, e em visão a João, cativo por causa do Evangelho em Patmos. A grande pergunta é: Por que ela?

Como sabemos a escolha de Deus não se deixa condicionar por nenhuma motivação que não se identifique com a sua soberana e perfeitamente livre vontade, porém, devemos nos indagar a respeito dos fatores que, presentes na vida e história da Madalena, contribuem para uma melhor recepção da missão exímia por Cristo a ela confiada. Com certeza é surpreendente que o Senhor tenha escolhido uma mulher para ser a anunciadora da sua ressurreição, sendo que poderia ter sido um dos outros discípulos, como Pedro, chefe do colégio apostólico; João o discípulo amado; ou até mesmo Mateus que, tendo sido publicano, muita gente conhecia, o que poderia tornar seu testemunho mais aceito. Mas o Senhor escolheu Maria, aquela de quem o Cristo expulsara sete demônios, que como já dito, simbolizam a totalidade dos demônios, ou seja, livrado aquela mulher de uma forte contaminação espiritual.

Maria Madalena foi eleita. Ela que de uma vida conturbada passa à vida nova sobre as pegadas de Cristo neste mundo. Ela que mulher, num tempo em que as mulheres eram quase vistas como matéria de escambo e propriedade dos homens, entra no grupo dos discípulos de Jesus, e toma consciência do seu lugar no Reino de Deus. É esta mulher a escolhida por Cristo para ouvir pela primeira vez a voz do Ressuscitado. Benditos olhos que por primeiro contemplaram a glória do Cristo vencedor da morte! Benditos ouvidos que ouviram as primeiras palavras do Verbo eterno feito carne que se ergue do reino da morte vitorioso.

Maria Madalena, que muito foi perdoada porque muito amou a Cristo, e por ele se dedicou com toda a sua vida a ensinar-nos a amar a Cristo profundamente, e amando-o, a amar intensamente a sua Igreja e por ela consumir-nos, na esperança de resgatar para o Senhor muitos corações, levando-os a encontrar-se com a verdadeira luz que tudo ilumina e em tudo gera vida: a luz do Cristo pascal.

Santa Maria Madalena, rogai por nós.

 

Pe. Everton Vicente Barros
Comunidade Católica Palavra Viva