[RIO DE JANEIRO]

Como você gostaria de ser lembrado?

A celebração da Santa Missa é o momento ápice do Cerco de Jericó. Através do convite do Senhor em celebrarmos os mistérios de nossa Redenção, o apelo “fazei isto em memória de mim” nos questiona: se a memória é um dom de atualização, como gostaríamos de ser lembrados?

Durante a semana missionária na Igreja Nossa Senhora do Carmo – RJ, houveram muitas missas em que reflexões como essa foram propostas. A celebração em honra a Sant’Ana e São Joaquim teve como tema “legado e herança” no qual o presidente da celebração recordou-nos a importância de deixarmos uma história aos nossos descendentes, contribuindo com valores e virtudes para as próximas gerações.

Houve ainda outra homilia em que foi apresentado, sob à luz do Documento de Aparecida, 5 pontos que nos relembra a identidade primordial de um evangelizador: intimidade com Jesus, conversão diária, apostolado, comunhão eclesial e fraternidade.

Assim, a Eucaristia fortaleceu nossa semana como missionários e recordou que o sim de cada dia permite que o Reino dos Céus não seja esquecido em nosso tempo, mostrando que os que comungam do Seu Amor se tornam memórias de Deus, pois “quem comer deste pão viverá eternamente.”

[justified_image_grid ids=”7767,7768,7769,7770,7771,7772,7773,7774,7775,7776,7777″]